Trader Discricionário ou Trader Mecânico

Price Taker e Price Maker - o que é isso?
Price Taker e Price Maker – o que é isso?
6 de fevereiro de 2019
Ponto Cego do Day Trade
Ponto Cego do Day Trade
9 de fevereiro de 2019

Neste artigo vou descrever as principais diferenças entre traders mecânicos e traders discricionários e ao final vou explicar porque a discrição é essencial quando o assunto é mercado.

Trading mecânico ou sistemático como é conhecido nos EUA é o estilo cuja tomada de decisão não depende do ser humano. Não significa que a ordem será enviada automaticamente, mas que a decisão de entrar e sair do mercado será tomada por um conjunto de variáveis pré-estabelecidas, não necessitando do julgamento do ser humano na tomada de decisão.

Um bom exemplo de trading mecânico é rompimento de médias móveis, ou cruzamento de MACD, etc.. É possível transformar em sistema qualquer variável ou combinação delas que você consiga detalhar a entrada e saída com gain ou no stop (zero a zero ou perdendo).

Essa não interferência na tomada de decisão facilita a vida do trader, pois reduz significativamente o stress de ter que tomar decisão com frequência. Pode parecer que não, mas muitas pessoas fogem da necessidade de ter que tomar decisões num ambiente de pura incerteza que é o mercado.

E o trader discricionário?

O trader discricionário, em oposição ao mecânico, é aquele que toma a decisão de entrar e sair do mercado por seu próprio julgamento. Não significa que seja sorte, loteria, ou feeling puro, mas que a decisão de entrar e sair do mercado será sempre julgada e avaliada pelo trader.

Um trader discricionário pode sim ter (e de fato costumamos ter) um conjunto de regras similares ao trader mecânico, porém, diferentemente deste último, a palavra final sobre entrar e sair da operação é sempre do trader.

E o que você acha que é mais fácil, operar de forma mecânica ou discricionária?

Claramente a forma discricionária é mais difícil, pois, além de definir as regras para se operar o trader deve a todo instante estar tomando decisão de clicar ou não. Isso requer muito mais habilidade do que trading mecânico.

Ok, que é mais difícil deu para perceber, mas e qual é mais adequado?

Ótima pergunta!

Bom deixa eu te contar uma história. Eu tive muita sorte de ter passado a maior parte da minha carreira profissional (antes de me tornar trader independente) na corretora que concentrou os melhores traders pessoas físicas do Brasil. Estes traders tinham (alguns têm até hoje) resultados expressivos e regulares e acabei aprendendo muito pela proximidade com estes caras.

Eu costumava fazer algumas perguntas como: o que você olha para operar? Ou ainda o que te motivou comprar ali e segurar? E coisas do tipo.

Agora peço para que tente adivinhar que tipo de reposta eu obtinha. Você acha que as respostas eram claras e objetivas ou abstratas?

Se chutou“abstratas’ você acertou!

A maioria dos traders não tinha uma regra única e objetiva, ou seja, seus operacionais não eram replicáveis de forma mecânica. Cada hora era um motivador da operação, cada hora tinha uma variável nova que influenciava e dificultava a explicação.

Bom, eu agradeço até hoje por ter tido proximidade com esses traders. Minha conta agradeceu, pois me custou pouco (na verdade quase nada) para eu perceber que mecanização pura não era o caminho dos resultados consistentes.

Tá bom André, mas por que a mecanização pura não é o caminho? Dê-me uma razão.

O mercado está em constante transformação e por isso deve ser encarado sempre de forma contextual. É improvável que uma regra pronta funcione em diversas condições de mercado. Quando você sistematiza uma regra, você cria uma fórmula e pressupõe que essa fórmula que funcionou até ontem vai ser capaz de continuar funcionando amanhã.

Se você tem mais de 1 ano de mercado você sabe que essa afirmação não é verdadeira. Quantas vezes já viu um trading system (mecânico) que gerava ótimos resultados em backtests simplesmente parecerem a pior estratégia do mundo?

Se ainda não viu infelizmente terá que ver para acreditar, que o mercado está em constante transformação. A dinâmica de cada mercado muda com frequência alterando consequentemente a forma de operar.

Não significa que a gente mude nosso estilo ou conceito operacional. As crenças em cima do fluxo das ordens continuam as mesmas, mas adaptamos instantaneamente em função do que o mercado está mostrando no momento.

Então é isso aí… espero que tenha gostado do artigo!

Grande Abraço e Atitude Vencedora,
André Antunes