Artigos

Por que seu setup do trade para de funcionar? Descubra agora.

Sabe quando você parece ter achado a fórmula mágica? Não sei se já sentiu essa sensação fazendo um Backtest ou mesmo quando aprendeu um setup novo de day trade ou swing trade.

É uma sensação ótima de confiança misturada com esperança. “Você só fica multiplicando o resultado do Backtest pela quantidade de dinheiro (lote) que tem para colocar em jogo e sonhando com os resultados.”

Como se fosse fácil assim, né!

Quem já opera na prática sabe que essa sensação termina rapidinho… Mesmo que você descubra uma nova combinação de variáveis ou que aprenda um novo setup com Backtest é incrível como na hora de aplicar, as coisas parecem que não acontecem da forma como você gostaria (ou da forma como o Backtest indicou).

E você sabe explicar o porquê disso?

Vou excluir a questão emocional e operacional deste exemplo, ou seja, digamos que você consiga automatizar todas as indicações que este setup oferece e, portanto não vai incorrer julgamento discricionário sobre as sinalizações individuais. Dessa forma você vai conseguir entrar e sair de todas as indicações.

Por que mesmo assim, esse conjunto de variáveis (setup que gerou bons resultados no teste) para de gerar resultados consistentes depois de um tempo que você começa a aplicar?

Isso já aconteceu com você? Se ainda não aconteceu, muito provavelmente é porque ainda não opera a tempo suficiente. Fique tranquilo isso acontece com todos. A única diferença é como você encara isso.

Sabe por que isso acontece?

Por que os mercados não se comportam da mesma forma. Os mercados quase nunca (eu diria que nunca) vão fazer no futuro a mesma coisa que fizeram no passado. Por mais que você possa achar o contrário, alguma coisa sempre será diferente. Por mais que algumas altas e baixas no ativo pareçam idênticas ou similares, sempre existirá alguma variável diferente que contribuiu no processo dessa alta/baixa.

A esse componente do mercado damos o nome de singularidade do momento. Na verdade não fomos nós que demos esse nome. Eu li sobre isso no livro do Mark Douglas chamado Trade In The Zone (que para mim é o melhor livro de psicologia sobre trading já escrito). Além de ter lido sobre esse conceito, após alguns anos operando você percebe o quão certo esta o Mark Douglas em afirmar que cada momento no mercado é único. Ele simplesmente prova que cada tick, cada negócio e cada alteração de oferta de compra e venda são únicos e vão gerar resultados únicos, por mais que graficamente pareçam idênticos.

Quer a primeira comprovação disso? Bom, quem coloca ordens no mercado? Traders certo? São pelo menos 500 mil CPFs cadastrados na bolsa, mais pelo menos uns 100 gestores de fundos (claro que existem traders ou brokers que monitoram suas ordens, mas nas Assets é o gestor quem decide a alocação) e pelo menos umas 15/20 tesourarias de bancos (uns maiores outros menores).

Te pergunto: Qual a chance de a posição prévia de cada um destes players ser a mesma?

A chance é zero! Ou seja, em nenhum momento da história a posição prévia de cada player será a mesma. Ela pode ser similar, mas não a mesma.

Bom, e o que isso importa? Importa, pois a posição prévia de grandes players (ou nível de aposta, como chamamos) também determina a energia potencial dos preços. Por exemplo, se um grupo de grandes players estiverem comprados em determinado ativo, a energia potencial deste ativo é enorme na compra. Eles poderão fazer qualquer coisa para que os preços subam… E da mesma forma, neste mesmo cenário, caso haja alguma mudança repentina nos fundamentos, quanto mais “apostado” na compra esta o mercado, maior é tombo caso ocorra algo negativo no meio do caminho porque maior será o “desarme” devido ao fluxo de vendas. Energia potencial é muito importante. Mas, neste artigo estou explicando energia potencial somente para provar que ela nunca é a mesma.

Outro ponto extremamente relevante é que o cenário também é diferente de tempos em tempos. Me recordo da época que o dólar só caía. Dia após dia, o fundamento era de baixa, devido à enxurrada de recursos provenientes do QuantitativeEasing (política de estímulos adotada pelo FED após a crise). Era um cenário diferente. E agora, o fundamento é o mesmo? Claro que não! Agora estamos num momento onde o FED esta justamente tirando os estímulos e esses recursos estão “voltando”. Somado a isso existem diversos outros fatores que impactam o dólar, como deterioração dos termos de troca (perda de valor dos exportados em relação aos importados).

E bolsa André? Na bolsa a mesma coisa, cada hora é um cenário. Tanto a parte macro, quanto a parte micro, dinamicamente se transforma. Um tempo atrás as elétricas eram porto seguro e boas pagadoras de dividendo, hoje devido às manobras políticas se transformaram em empresas ineficientes.

(você deve estar perguntando) O que mais André?

Bom, temos que considerar que os traders que operam (tô falando dos price makers) também mudam de uma época para outra. No mercado, há uma dança de cadeiras com certa frequência. Alguns traders corporativos experientes saem, como caso recente do ex tesoureiro do Deutche, ou mesmo dos nove traders que saíram da tesouraria de um grande banco privado e vão operar por um fundo numa outra instituição. São os mesmos nove trades, mas saíram de uma tesouraria de banco e foram para um fundo, cuja politica de investimento e tamanho de patrimônio são diferentes.

O melhor exemplo de todos eu acredito que seja sobre o famoso tesoureiro de um dos maiores bancos privados do país. É perceptível para nós como os mercados de Dólar e DI ficam diferentes quando ele SAI DE FÉRIAS! Isso mesmo, ele sai de férias e provoca mudança na dinâmica de formação de preços no intraday. A forma com que ele coloca ordens altera totalmente o rumo dos preços por ser um dos maiores price makers e por seu estilo singular de blefar.

A entrada dos HFTs (High Frequency Traders) também alterou significativamente a microestrutura de mercado e também a forma com que os preços oscilam.

É por esses motivos (na verdade só citei 3, são mais de 9 motivos) que acredito que o Mark Douglas estava certo quando afirmou que cada momento no mercado é único.

E se você acreditar que cada momento é único responda: Como um setup rígido pode ser vencedor eternamente? Concorda que não é possível? Por um tempo até pode dar certo porque naquela dinâmica em especial, o setup capta o dinheiro que o mercado esta fazendo disponível. Agora, o fato é que a dinâmica vai mudar e o seu setup vai parar de capturar o que o mercado vai tornar disponível na nova dinâmica.

Agora, você entende por que somos tão céticos em relação à simplesmente replicar setups?

Se você só replicar setups vai ter sucesso temporário. As habilidades que um trader precisa desenvolver são maiores do que disciplina em replicar setups. Um trader precisa entender o que realmente é o mercado que esta operando, quem esta operando, como esta operando, qual o fundamento vigente, quem são os HFTs, e diversas outras questões.

Sugiro que pare e reflita sobre isso. Reflita se você realmente sabe o porquê de estar comprando ou vendendo. Se você sabe por que seu setup é coerente e adequado à realidade atual do mercado.

Mais importante do que estar no caminho certo é perceber a tempo que esta no caminho errado!

O Antunes explicou a raiz do problema (na verdade ele citou apenas 3 razões dentre as 9 que compõem a dinâmica e que provam que cada momento no mercado é único).

Eu acredito que se dermos um exemplo vai facilitar sua compreensão. Faltou dizer que a frequência e volatilidade do mercado mudam em função das mudanças de dinâmica.

Volatilidade é um item mais conhecido pelas pessoas e como o próprio nome induz, tem haver com amplitude das oscilações. O que gera alterações em amplitude são alterações na dinâmica (lembrando que fundamento/contexto faz parte da dinâmica).

Frequência é um termo pouco conhecido e que não cabe explorar em detalhes nesse artigo.

De toda forma, o que gostaria de explorar é que se você possuiu um setup com regras rígidas de entrada e saída baseados em objetivos e stops discretos, você vai incorrer no mesmo erro. Mesmo que seu setup seja baseado em variáveis com causalidade real com fluxo de ordens ou preço, você estará tentando capturar algo fixo no mercado.

Por exemplo, digamos que opere índice baseado em qualquer setup e que tenha 200 pontos de objetivo e 100 de stop. Tem fases em que isso vai cair igual uma luva e seus resultados vão fluir. Mas, tem fases em que essas regras não vão funcionar porque a dinâmica dessa nova época será diferente.

Lembro da fase de Julho a Setembro/outubro de 2012 quando o dólar perdeu toda sua volatilidade, por conta das intervenções do BC. Naquela época, as todas nossas operações(minhas , do Antunes que sentava ao meu lado e dos demais traders autônomos com que convivemos) eram de 0,5 ponto, ou seja, o tick mínimo de oscilação. A frequência e volatilidade não permitiam operações com mais de 0,5 ponto dentro do mesmo perfil de risco, claro.

Meses depois, o BC abriu a banda e o dólar entrou em fase com maior volatilidade, fazendo com que operações apenas de 0,5 se tornassem pouco eficientes devido à ampliação do risco para se conseguir retorno.

Isso acontece sempre e sempre vai acontecer.

A solução para isso será sistematicamente se ajustar a que o mercado esta oferecendo e não ao que você gostaria de estar ganhando. Para isso você precisa entender as variáveis que compõem a dinâmica e se adequar.

Não é um processo fácil e rápido, pois requer que você entenda o que esta acontecendo no mercado, quem esta operando, como está operando etc… Isso leva tempo, assim como leva tempo acreditar (incorporar no seu sistema de crenças) que cada momento do mercado é único.

Mas acredite em mim, é a única forma de ser consistente de verdade.

Quando você abraça a singularidade do momento, você passa a enxergar coisas que nunca enxergou no mercado. Passa a ter uma relação nova e aberta a perceber outras oportunidades de ganhos, sejam elas de scalping ou mesmo oportunidades mais longas.

Quando você se prende à padronização você só enxerga o que aprendeu a enxergar. Só busca o que já conhece. Agora, se você abrir a mente para o novo, primeiro de tudo que estará alinhado com a realidade do mercado e segundo que começará a entender o que o mercado faz disponível em cada ocasião, podendo adaptar o seu setup para capturar tais movimentos.

Antes de concluir o artigo queria te dizer mais umas coisas que vivi.

Nunca tinha acontecido um flash crash e ele aconteceu. Eu nunca tinha visto um limite de alta e no mesmo dia um de baixa e aconteceu no dólar, na crise de 2008. Nunca tinha visto o diferencial de uma rolagem ficar negativo (preço do dólar curto, ou a vencer subtraído do dólar longo ou o que seria o vigente). Essa rolagem ficou negativa de forma inacreditável em meados de 2011 e nos fez amargar um baita prejuízo por não considerarmos essa possibilidade. Também nunca tinha visto uma empresa cair para metade de seu valor patrimonial e isso aconteceu…

O mercado está mudando constante e muito mais rápido que antes. Precisamos nos adaptar!

Só estamos vivos porque somos abertos para o novo e abertos para a história, porque ela ainda não esta escrita…

Grande Abraço e Atitude Vencedora Sempre!
André Antunes

E se você tem interesse em conhecer mais, recomendo que Matricule-se agora mesmo no Programa Gratuito Formação de Trader

Tags
Ver Mais

7 Comentários

  1. Prezados, já venho operando a algum tempo com uma filosofia bem parecida, ou talvez seja a mesma, que vocês estão divulgando. Não sei aonde vocês conseguiram material e informação para isso, mas eu, depois de muita decepção com os L&S e outros “gurus” tupiniquins, comecei a buscar lá fora tais informações. Foi aí, então que a ficha caiu, e hoje nem olho mais para os indicadores tradicionais, porque sei que eles não funcionam.
    Gostaria de dizer que vocês são os únicos, pelo qual, eu ainda leio sobre mercado de ações no Brasil e espero que vocês continuem me enviando os artigos. Só uma pergunta? O que vocês estavam fazendo nesse Conatrader? Como as pessoas como eu, que concordam com a metodologia de vocês, irão estar interessadas em pagar pacote premium daquelas palestras tupiniquim. Abs.

    1. Ricardo, tudo bem? Obrigado pelo elogio. De fato temos recebido bastante feedback sobre a forma “singular” de olhar o mercado. Eu digo singular entre aspas porque para nós é estranho quando alguém diz que somos diferentes. Eu pergunto diferente de que?, rs. Sinceramente não vejo outra forma de abordar o mercado. Grande abraço e atitude vencedora! Antunes

  2. André, eu trabalho em mesa de operações já há alguns anos e seus artigos ilustram a realidade de 99,99999999999% dos investidores pessoas físicas. Em minhas palestras de análise gráfica, eu sou um grande critico dos indicadores e osciladores, que são absolutamente reativos e só dão sinal depois que a coisa já aconteceu. Agora esta questão do fluxo de ordens, também é uma coisa muito óbvia. Todos q operam e tem um bom conhecimento deste mercado, profissionais ou não, sabem q bolsa se move pelo fluxo. A questão aqui é se realmente existe um método de conseguir identificar este fluxo e conseguir tirar proveito disto para fazer boas operações. Como estes artigos não entram no mérito em si para identificar a forma de enxergar este fluxo e como operar através dele, voltamos ao ponto de todos os gurus de análise gráfica, que colocam várias formas de se operar, mas não conseguem transformar o teórico em resultado concreto! Minha pergunta é: Para aprender estas técnicas, seria somente fazendo o curso, ou teremos materiais com estes conceitos à frente?

  3. É isso mesmo.
    A cada dia que passa o mercado é menos cíclico.
    qualquer setup ou indicador que não considere isso está quadrado e fadado ao fracasso ou no máximo um resultado menor.
    É possível sim encontrar um ajuste que evidencia a entrada e saída porém as corretoras não nos permitem operar no passado. Para cada periodicidade e dentro da mesma sequência de sinais o ajuste para o desvio é diferente e pede diferentes cálculos para chegar ao resultado ideal. A fórmula para os cálculos muda constantemente em valores, parâmetros e forma.
    Há os indicadores gráficos e técnicos. Existem os razoáveis em desempenho, os medianos e os ridículos, há os que você se acostuma e entende melhor, há os caixa-preta (os mais perigosos).
    Porém, algo comum a todos -indicadores gráficos, técnicos, osciladores, setups- é uma regra geral tão poderosa como a lei da gravidade: todos eles um dia ou outro vão errar.
    E levar o usuário junto.
    Os que nos levam juntos mas nos dão pequenos prejuízos e resultados positivos, são os melhores ou menos piores.
    Os outros nem merecem atenção.

Botão Voltar ao topo