Para quais Ativos essa Abordagem é Adequada?

Antes de responder se Análise de Fluxo de Ordens funciona para qualquer ativo existem umas particularidades sobre eles que eu julgo importante que você saiba!

Cada ativo tem um porquê de existir!

Dólar tem um porquê, DI (taxas de juros) tem outro, Ações outro, Índice outro e opções também.

Esse porquê determina quais tipos de participantes vão operar e de qual forma vão operar e é justamente por isso que os ativos se comportam de forma diferente.

E se o comportamento deles é diferente, as oportunidades que os ativos geram também são diferentes.

Mas uma coisa é fato: em todos os mercados existem Players Informados e que tomam decisão numa outra esfera (ou seja, num processo macro fundamentado).

Dessa forma, acompanhar o fluxo de agressão do mercado é determinante para ter a mente alinhada com o que esses players estão fazendo.

Então a resposta é sim… Análise de Fluxo de Ordens funciona para qualquer ativo!

Entretanto, existem algumas diferenças entre os ativos e que impactam na forma como analisamos o fluxo e vou dar um exemplo:

Já reparou que em alguns ativos existem vários lotes em cada nível de preço enquanto em outros ativos praticamente não tem lote?

Nós costumamos classificar os ativos em: ativos de Fluxo e ativos de Volatilidade em função da quantidade de lotes que estes ativos apresentam em cada nível de preço no Book de Ofertas.

Ativos de Fluxo são caracterizados por conter muito lote em cada nível de preço… Exemplo o Dólar quando tem acima de 200 lotes por preço, as Opções abaixo de 0,4 costumam ter bastante lote , algumas Ações especialmente as líquidas e abaixo de 10,00 e os contratos mais líquidos de taxas de juros.

Ativos de volatilidade são caracterizados por conter pouco lote em cada nível de preço, ou seja: Índice, Opções mais gordas, Ações mais caras e até mesmo o Dólar se comporta como um ativo de volatilidade quando têm menos de 150 lotes por nível de preço.

A diferença operacional entre esses ativos é que a Percepção de fluxo pode se dar no preço (em ativos de fluxo) ou numa faixa de preços, como ocorre com os ativos de volatilidade…

O fato de você perceber fluxo numa faixa e não no preço faz o risco retorno das operações de giro curto piorar, porque você só percebe que esta subindo quando já subiu um pouco e vive versa…

Já em mercados com mais lotes em cada nível de preço, o consumo da liquidez num nível de preço é um ótimo termômetro sobre percepção de fluxo de ordens.

A grande vantagem de compilar a agressão através do Plug-In é que você pode facilmente identificar agressões em faixas próximas de preço e dessa forma até alguns ativos de volatilidade podem ser operados com mais assertividade e sem prejudicar a relação risco/retorno!

O Plug-In também acaba servindo para qualquer ativo porque na prática queremos atuar protegidos por fluxo atípico ou fluxo persistente (e todos ativos apresentam isso).

E Algumas pessoas que testaram o Pug-In fizeram exatamente essa observação:

Por que um ativo subiu e a agressão acumulada estava negativa? Não teria que ter agressão de compra durante uma alta?

E não é regra, mas isso costuma acontecer em ativos que, ou pela natureza ou pela circunstância do momento estão sendo arrastados por alguma arbitragem!

Traduzindo, esse ativo muito provavelmente está subindo porque ordens agressivas de compra estão sendo enviadas em outro ativo correlacionado com ele e não diretamente nele!

Isso não é uma regra, mas é uma realidade e acontece muito nas Opções, no Índice, nos DIs…

Depois que você entende da estrutura do mercado e como os players atuam fica muito mais fácil de identificar oportunidades.

Você percebe o poder de ter acesso a esse tipo de informação? Você acaba operando somente o que realmente vale a pena!