Jogo da Liquidez: Todo Trader precisa saber disso!

Onde os Grandes Participantes (Big Players) brigam no mercado!
17 de julho de 2020
Como se perde dinheiro no Day Trade?
17 de julho de 2020

Já disse isso em outras oportunidades, mas é sempre bom relembrar, até porque este é o principal fundamento de quem opera por Tape Reading, ou como alguns gostam de chamar, via análise do fluxo de ordens: o segredo no day trade está em seguir os grandes players. São esses players os responsáveis pelas grandes movimentações do mercado, sobretudo os estrangeiros, verdadeiros “elefantes”, quando analisamos o impacto que sua atuação provoca no preço.

Foi por isso que, no segundo semestre de 2018, eu e minha equipe visitamos um grande banco de investimentos na Europa, responsável por intermediar diversos investidores em todo o mundo. O meu objetivo nesse intercâmbio era entender a visão operacional de um grande player para o mercado de moedas, como também para os principais índices mundiais, que são os ativos que mais opero no meu dia a dia.

E para minha surpresa, o mercado de moedas funciona como uma espécie de cebola: quanto mais se aprofunda o estudo, menos participantes você encontra, mas o volume de dinheiro transacionado é maior. Para se ter uma ideia do volume financeiro envolvido, não há espaço para pessoas físicas dentro dessa cebola.

Em termos operacionais, as transações nesse mercado basicamente se restringem a corretoras e a bancos, sendo que em se tratando de bancos, estes têm ativos e centros de negociação de referência, fundamentando a tomada de decisão de acordo com as informações divulgadas pelo local em que está a principal cotação, isto é, a que todos os demais participantes observam.

Foi aí que tive um dos melhores insights que um trader pode ter: se você estiver olhando para os centros de negociação e o ativo de referência corretos, você estará muito mais perto do preço-justo do mercado, isto é, aquele que os grandes players estão de olho.

Mas como esses participantes operam e como eles deslocam preço, buscando uma informação superior?

A grande armadilha para os traders

Com esse novo patamar da bolsa brasileira e a ampliação do mercado educacional em renda variável, noto que atualmente estamos passando por uma fase que chamo de “gourmetização” da aprendizagem. Isso quer dizer que a cada mês surge um novo curso ou série difundindo um conteúdo que já está pacificado no mercado, mas com outra denominação.

Às vezes, uma mesma coisa recebe 4 (quatro) nomes diferentes e isso, ao invés de simplificar, acaba trazendo mais dúvidas a quem é iniciante no mercado. É por isso que estive no evento de Paris, pois é lá que são discutidas as principais teses sobre formação de preço. Afinal, para que possamos fazer dinheiro no trading, é preciso que haja deslocamento de preço, e nada melhor do que consultar aqueles que estudam isso a fundo.

E o que ficou mais uma vez provado é que as grandes movimentações de preço são frutos da regra do jogo, ou seja, é um efeito prático da microestrutura de mercado.

Jogo da Liquidez

A conclusão a que eu e minha equipe chegamos das exposições e estudos apresentados neste evento de Paris foi a de que o mercado é fatiado em participantes, sendo que no grupo dos grandes players há participantes ativos (que agridem o mercado por terem uma informação superior) e o participantes passivos (que atuam posicionando suas ordens, sem urgência de execução).

Dessa forma, é possível analisar aqueles que geram liquidez com ordens passivas e aqueles que consomem liquidez com ordens ativas… Esse é o Jogo da Liquidez!

No meio dessa disputa, há ainda os market makers (que dão liquidez ao mercado) e os HFTs (algoritmos predatórios que atuam via fluxo de ordens, se aproveitando dos deslocamentos gerados pelos grandes institucionais).

Como não poderia deixar de ser, a formação de preço acontece por conta da interação desses participantes. Olhando o ambiente e a forma como cada um atua, é possível separar aquele que tem mais impacto no preço e como ele esconde sua presença no mercado.

E a forma de se camuflar passa por três variáveis: o tempo de execução entre as ordens, o tamanho dessas ordens e a imprevisibilidade do mercado, que é uma variável oculta e percebida somente em razão dos números atípicos que as outras duas geram. Quanto maior for a ordem e mais rápida a sua execução, maior é o grau de incerteza do mercado e a relevância da informação que o player possui. A urgência é justamente para se posicionar no mercado antes que os demais participantes tomem conhecimento do que, até aquele momento, só ele sabe.

Entendi, André, porém, qual o intuito de tudo isso, se eu jamais terei acesso à mesma informação que o player Institucional?

O intuito é justamente revelar qual rota seguir. Sabendo das variáveis que têm causalidade com o deslocamento de preço e quem causa o maior impacto no mercado, é possível elaborar um plano de trade coerente com aquilo que realmente faz o mercado andar.

Então é isso aí… espero que tenha gostado do artigo!

Grande Abraço e Atitude Vencedora,
André Antunes