GIRAR

Girar é o termo que nós usamos para representar as operações que fazemos. Giro ou scalping, como é conhecido nos EUA, tem suas particularidades entre outras formas de atuação.

A particularidade mais evidente é uma diferença de conceito, isto é, no giro você não aplica dinheiro no mercado. Ao contrário do investimento (que é o oposto de giro) em que você aplica certa quantidade de dinheiro buscando rentabilidade, no giro, você aloca margem de garantia (pode ser dinheiro, títulos, CDB, etc) e busca tirar dinheiro do mercado de grão em grão.

Superficialmente podem parecer similares, mas não são. Não é só o prazo operacional que diferencia giro de investimento, mas sim alguns princípios. Por exemplo: o gerenciamento de risco do investimento é em função do valor total que você tem para investir. Já o gerenciamento de risco sugerido no giro é em função do grau de desenvolvimento das suas habilidades como trader, independentemente da quantia destinada a operar. Um girador aloca o mínimo possível de margem (como se fosse um caução) para operar o tamanho de lote pertinente às suas habilidades e ao momento de mercado.

Investir e girar são atividades bem distintas e, obviamente, exigem pré-requisitos diversos. Sendo que os principais do giro são: tempo e vontade para acompanhar as cotações no intraday.

 

Quer conhecer outros Jargões utilizados pelos traders profissionais?

Cadastre seu e-mail no campo abaixo e receba gratuitamente um exemplar do Ebook “Jargões do Trader“.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo