Google

Saiba quais são os 15 Conceitos ou Estilos Operacionais

por

Ao contrário da crença comum de que os participantes do mercado (traders ou investidores) consideram apenas Análise Técnica ou Análise Fundamentalista (ou ambas), nós listamos pelo menos 15 Conceitos ou Estilos Operacionais que norteiam o processo decisório.São eles:

- Análise Fundamentalista (macro/valuation)

- Abordagem Intermercados

- Hedger

- Arbitragem sem risco

- Travado (combinação de ativos)

- Trend Follower

- Trade de Bandas (princípio de reversão à média)

- Ciclos e Sazonalidade

- Reconhecimento de Padrões

- Estatístico & Indicadores Técnicos

- Price Action

- Seguidores de ordenações da natureza (adeptos a matematizar o mercado)

- Market Maker – (ainda pouco representativo no Brasil)

- Análise do Fluxo de Ordens

- Algoritmos – (todos os tipos e que na verdade podem ser uma mistrura de tudo)

Cada um dos estilos ou conceitos operacionais listados acima requer crenças particulares. Isso que dizer que para o trader adotar o estilo de trend following, por exemplo, deve acreditar nas premissas básicas deste estilo, como a de que os preços se movem em tendência. Já o trader que adote o estilo de reconhecimento de padrões deve acreditar na premissa de que há certos padrões de comportamento no mercado.

Segundo Van Tharp, reconhecido coach de traders, nós não operamos os mercados, mas sim as crenças que possuímos sobre ele. Pare para pensar sobre o que te motiva comprar ou vender? Certamente chegará à conclusão que se baseia em alguma crença pertencente à sua estrutura de pensamento.

Agora, não confunda estilo/conceito com setup. Estilo ou conceito, como esta apresentado no artigo tem haver com a fundação do racional por trás da forma como você olha o mercado. O setup em específico é o conjunto de fatores que têm que estar presentes para definir uma oportunidade. Existem vários setups, mas ficaria muito extenso nesse artigo e perderíamos o foco central.

São 2 níveis. O primeiro nível (estilo ou conceito) é mais abrangente e o segundo nível (setup) é especifico.

Eu tenho certeza de que você está com essa pergunta em mente “André, qual é o melhor estilo ou conceito?”

Essa pergunta é chave e a mais comum de todas. Essa pergunta era unânime nas palestras que fazíamos tempos atrás.

Minha resposta é: Depende! Depende do tipo de participante que você é. Se for um trader institucional de mesa proprietária (de um fundo ou banco), muito provavelmente a análise fundamentalista será o pilar principal se sua tomada de decisão. Obviamente há possibilidade de unir estilos, mas as crenças primárias deverão ser mais energizadas nas características exigidas pela abordagem de fundamentos. Já um trader pessoa física, por exemplo, dificilmente terá sucesso com abordagem fundamentalista, pois, não terá acesso aos mesmos recursos (contatos e projeções) que os institucionais possuem.

Melhor ou pior é sempre relativo!

Vamos fazer algumas considerações sobre a ótica do Trader Pessoa Física?

Você reparou que não listamos uma categoria chamada “Analise Técnica”? E sabe por quê?

Por que na verdade Análise técnica pode ser muita coisa. Quem opera com indicadores usa analise técnica, quem opera rompimentos também pode ser chamado de Analista técnico, da mesma maneira que quem opera com Fibonacci. Só que cada um desses exemplos é uma vertente diferente dentro da Análise Técnica e cada vertente (ou estilo/conceito) possui um pilar central, ou uma crença central.

Empacotar tudo isso dentro do nome “Analise Técnica”, além de ser um erro de conceito, pode te gerar um problema de relação com o mercado (mas a explicação desse problema fica para outros artigos como, por exemplo: Fuja do Círculo Vicioso no Day Trade).

Basicamente dentro do que seria Análise técnica temos o conceito de Padronização, cuja crença central é identificar padrões de comportamento. Essa crença rege todo o processo decisório, pois o trader só vai buscar setups que identifiquem padrões. Traders que operam exclusivamente com candlesticks, e traders que operam exclusivamente identificando formações gráficas com M, topo triplo, OCO, Pivots e etc são exemplos traders com crença em padronização.

Ainda dentro da Análise Técnica temos quem opera exclusivamente com Indicadores Técnicos, cuja crença(mesmo que inconsciente) é de que a manipulação dos dados (preço e volume) trás informações relevantes para tomada de decisão. Claro que cada indicador tem uma premissa por trás e também uma crença, mas estou exemplificando o grupo de pessoas que simplesmente manipulam informação (preço) a fim de identificar oportunidades no mercado.

Também dentro da AT temos o Price Action (nesse caso seria Análise Gráfica e não Técnica, mas tudo bem!). De forma bem resumida o trader que olha price action puro, não se preocupa com o que causa os movimentos, mas se preocupa apenas em entender a psicologia por trás dos movimentos interpretando preço e volume. Nos EUA esse conceito é conhecido como operar naked (gráfico pelado). Os adeptos de price action costumam usar os conceitos de níveis de preço (suporte e resistência), acumulações e coisas do tipo. Mas diferentemente da simplicidade do senso comum, o bom trader de price action sabe e entende de psicologia de massa. Entende da briga entre comprados e vendidos, sabe onde potencialmente vai entrar stops e consegue identificar força real no mercado baseado no próprio mercado e não simplesmente nas linhas traçadas no gráfico. O conhecimento transcende o gráfico.

Outra vertente da AT é a ordenações da natureza. Esse nome eu peguei de um livro do Van Tharp onde ele classifica os traders que matematizam o mercado atrás de fractais, Fibo, Elliot, e derivados. Não gosto muito de falar sobre isso, pois entendo pouco e nunca vi ninguém ter consistência de resultados SOMENTE com essa crença em “matematização”.

Trend Following e Reversão a média são dois princípios que se confundem com AT, mas na verdade não pertencem à esse grupo. Quem é Trend Follower é seguidor de tendência, independentemente do prazo dessa tendência. Esse tipo de trader acredita que existem movimentos de preços e que sua oportunidade esta em capturar esses movimentos tendenciosos. De novo repare que não estou falando de setup. Setups usados por Trend Followers seriam Hilo, Médias, VWAP no caso de intraday e variações ou combinações entre essas métricas.

Já o Princípio de reversão à média é exatamente o oposto do Trend Following. MeanReversion, como é conhecido é o principio cuja crença central é de que os preços revertem à média. Como estou tentando ser o mais imparcial possível, vou me controlar e fazer poucas observações (muitas vezes não consigo, rs). Esse principio pode se adequar bem em operações cominadas de opções (travas e volatilidade) e em alguns outros ativos, mas fique atento em tentar encaixar esse conceito em ativos “soltos”, pois nem sempre é muito lógico. Por exemplo, porque acreditar que o Dolar, o Juros ou o Índice revertem para sua média? Isso depende muito e tem que ser avaliado. Eu particularmente não uso muito, mas não significa que não funciona se usado adequadamente.

Temos os demais estilos ou conceitos e que são pouco difundidos entre pessoas físicas.

Análise Fundamentalista é de longe o estilo ou conceito mais utilizado como pilar do operacional de players (traders) corporativos. Você já deve ter ouvido a prazo, no longo prazo tudo reflete os fundamentos. Fundamento é o termo geral que no fundo quer dizer “embasamento”. Você precisa estar embasado em algum fundamento para fazer uma previsão, etc. Esse estilo ou conceito serve tanto para a parte macro (variáveis como dólar, inflação, pib, etc) quanto para a parte micro, onde estão as empresas. Não daria para explicar como faz uma análise fundamentalista aqui (nem da parte macro, pois envolve conceitos teóricos e econometria) tanto da parte micro, pois envolve conhecimentos de valuation. Saiba apenas que esse conceito é um dos que mais gera ordens para o mercado.

A abordagem Intermercados reflete a conexão quase que “matemática” entre dois ativos. É uma abordagem pouco utilizada no Brasil pela pequena quantidade de ativos matematicamente relacionados. Um exemplo que eu costumo usar é ativo euro/dólar ter cerca de 60% de peso na cesta de moedas DXY que também é um ativo negociado. Logo uma oscilação no euro/dólar deve causar impacto no DXY, mantidas as outras moedas constantes. Lógico que quem faz essa “arbitragem” hoje é um robô, mas quero dizer que existem ordens que vão para o mercado e não são nem por Análise Técnica e nem Fundamentalista.

O Hedger é um dos maiores exemplos de geradores de ordens para o mercado (que impactam preço) e que na maior parte das vezes não tem nenhuma motivação técnica ou mesmo fundamental. Geralmente o Hedger busca proteção no mercado contra oscilação de preço do ativo que detém. O Hedger pode ter dívida em dólar e, portanto faz o hedge comprando dólares, pode ser credor em dólar e, portanto faz o hedge vendendo dólares no futuro, o Hedger pode ser tomador ou aplicador de recursos e faz o hedge nos DIs, o Hedger pode ser detentor de ações e faz hedge vendendo Índice Futuro e por ai vai.

Geralmente o Hedger não faz o hedge de forma preventiva, pois o hedge custa $. Muitos traders fazem o hedge quando as cotações atingem o limite da sua MARGEM DE TOLERÂNCIA ANTES DO HEDGE, ou seja, muitas vezes o que motiva o Hedger a fazer a operação é o preço atingido no mercado e não uma análise sobre o futuro dos preços.

O conceito de Travado é um dos mais amplos. Travado significa alguma combinação de ativos (2, 3ou mais). Fazem parte desse conceito operações Long&Shot Intrasetoriais (exemplo compra BBDC4 vende ITAU4, Intersetoriais (ex: compra CIEL venda GFSA3) e Intraclasse (ex: compra On vendePn).

Os critérios para esse tipo de operações podem ser fundamentalistas ou estatísticos, mas via de regra os fundamentalistas fazem mais sentido especialmente nas arbitragens Inter setoriais onde existe um fator de risco evidente e que beneficia um setor ao mesmo tempo que prejudica outro.

Ainda dentro da abordagem Travado temos as combinações de opções, quais sejam: travas, volatilidade etc…As travas conhecidas como 1 para 1 ou seja, compra 1.000 de uma e vende  1.000 de outra são operações com risco e retorno limitados. Toda outra combinação tem risco e retorno ilimitados.

Repare que a crença central de operar travado é se “escorar na trava”. Geralmente este trader enxerga uma oportunidade (baseada em qualquer uma dos estilos citados) e se “protege” (palavra mais adequada que achei) numa conta que é a combinação dos ativos. Logicamente existem diversas formas e tipos, mas só quis deixar a mensagem de que existem traders que não mandam ordens direcionais em um único ativo. Saber que eles existem será essencial para que você identifique essas ordens quando estiver lendo o fluxo dos mercados.

Ciclos e Sazonalidade também é uma abordagem pouco utilizada no Brasil devido a tímida presença de ativos que reflete variações sazonais de preço. O melhor exemplo disso são os agrícolas devidos os períodos de safra e entre safra. A maior crença por trás dessa abordagem é da ligação direta de oferta e demanda física do ativo em questão. Claro que existem contas, cálculos etc, mas é só para você saber.

O Market maker é um player pouco difundido ainda no Brasil. O Market maker nos EUA costuma deter um estoque x de determinados ativos e é responsável por fornecer liquidez na tela sendo obrigado a ofertar ordens de compra e venda. O Market Maker logicamente se mune de automação e costuma receber para fomentar a liquidez, portanto, seu principal papel não é ganhar $ com exposição no mercado e sim dar lote (liquidez) em vários níveis de preço. Logicamente que ele se protege e reduz a oferta de lotes quando percebe movimento agressivo contra suas ofertas. Existem diversos modelos de Market Maker (mas dá muito pano para manga nesse artigo…)

Análise de Fluxo de Ordens. Esse sim eu gosto de falar e esse sim eu realmente acredito e opero. Não que eu não acredite em fundamentos, pelo contrário, só que não temos acesso às mesmas informações dos price makers e, portanto, não temos como concorrer neste nível. A crença primária atrás de analisar o fluxo das ordens é que o fluxo causa o preço e que mudança no fluxo precede uma mudança em preço. Se ainda não sabem bem o que é fluxo de ordens cadastre-se no Curso Gratuito de Introdução ao Tape Reading.

E por fim temos os Algoritmos. Aqui temos uma categoria que na verdade nada mais é do uma forma de automatizar um, ou mais dos estilos ou conceitos apresentados acima. Um algoritmo nada mais é do que uma receita que mostra passo a passo os procedimentos necessários para resolução de uma tarefa. Você precisa roteirizar o que você quer e você só roteiriza em cima de um estilo ou conceito e descrevendo um setup.

O que é importante você saber! É muito importante que saiba que existem dois tipos de robôs, Os HFTs (High Frequency Traders) e os Low Frequency. Como o próprio nome diz, os HTFs enviam várias ordens ao mercado (VÁRIAS MESMO). Exigem ambiente estável e excelente conectividade com a bolsa (eventualmente ficam no Co-location dentro da própria bolsa). Os low frequency traders podem ser quais algos que enviam poucas ordens ao mercado. Aqui não estou falando de impacto e tamanho das ordens e sim de magnitude de envio.

Outra observação importante é que existem mais duas classificações: Robôs simplesmente executores e robôs que entregam uma estratégia inteira. Na verdade é uma distinção feita por mim para você entender o que existe no mercado. Os executores, são aquele facilmente encontrados em corretoras ou até mesmo em soluções de plataforma. Você escolhe uma estratégia (por exemplo: troca ou Long&Short duas pontas), seleciona qual ativo vai comprar, qual vai vender, o tamanho do lote e o diferencial de preço que quer fazer aquela “troca”.

A outra vertente de robôs que entregam a estratégia inteira (entrada, saída e stop) são mais escassos no mercado, pois requerem conhecimento de programação e ou uma plataforma flexível  suficiente para que a descrição da sua estratégia seja entendida pela máquina.

Você já tentou automatizar o seu processo decisório? Se sim sabe que não é tão fácil!

A mensagem que queria deixar desse artigo é que não existe só Análise Técnica e Análise Fundamentalista por trás dos players envolvidos no mercado. A pessoa física costuma ter uma falsa crença de que todos estão olhando para o mesmo gráfico e escolhendo as melhores estratégias enquanto a maior parte dos price makers (que fazem o mercado andar) está considerando outras variáveis diferentes das suas…

Se você não conseguir se desvencilhar desta falsa crença vai ficar preso no círculo de tentar achar explicação técnica para as oscilações de preço.

Bom, chegamos ao final deste longo artigo e espero que tenha feito sentido para você e principalmente que você esteja conseguindo “unir as peças” com os conceitos chave de cada um.

Se você tem interesse em conhecer melhor essas outras variáveis utilizadas para nossa tomada de decisão recomendo fortemente que participe do nosso Treinamento Gratuito de Tape Reading. Basta clicar no botão abaixo e cadastrar seu e-mail:

curso-gratuito

Grande Abraço e Atitude Vencedora!

André Hanna

 

 

 

A Scalper Trader acredita que é possível ter lucros consistentes no Day Trade. Assim, nós acreditamos que ao difundir conhecimento e habilidades específicas, estamos colaborando com o desenvolvimento dos traders.

23 Comments to Saiba quais são os 15 Conceitos ou Estilos Operacionais

Deixe seu comentário aqui

  1. Fala José, Tudo Bem? Obrigado pelo comentário!

    Sugiro que faça nossa sequência de conteúdos gratuitos:

    - Curso Gratuito de Introdução ao Day Trade (http://scalpertrader.com.br/curso-daytrade-gratuito/)
    - E-book Jargões do Trader (http://scalpertrader.com.br/ebook-jargoes-do-trader/).
    - Curso Gratuito de Introdução ao Tape Reading (http://scalpertrader.com.br/curso-gratuito-tape-reading)

    São conteúdos gratuitos, porém servirão de base para sua evolução com qualidade.

    Grande Abraço, Atitude Vencedora!!

  2. Fala Oseias, tudo bem? Obrigado pela pergunta! Nem de longe as pessoas físicas tem volume financeiro para gerar fluxo capaz de movimentar mercado! Sim, existem vários big players no índice. Assim como o Dólar é uma ativo de proteção, o Índice também é um ativo de Hedge, porém para ações! Para proteção de carteira! Grande abraço!

  3. Oséias

    Olá

    Em um dos vídeos do site, o Hanna afirmou que o mercado de índice futuro é usado quase que exclusivamente pra especulação. Acredito que estes especuladores não sejam só pessoas físicas, pois eles não gerariam liquidez suficiente. Então quem são estes outros especuladores do mercado de índice futuro? Tem algum big player nesse mercado?

    Outra pergunta, quando vocês falaram sobre o mercado de Dólar, por exemplo, ficou claro que empresas que exportam/importam usam o mercado de dólar futuro pra se protegerem contra as flutuação cambiais. Mas quem atua no mercado de índice futuro tem algum outro objetivo que não seja a especulação pura?

  4. Rodrigo Pessin

    Boa tarde,
    Sou Rodrigo e é um prazer encontrar pessoas de tal disponibilidade e abertura de conhecimentos que vocês são colocando ao alcance do público tais materiais, e por indicação de um amigo estou conhecendo e abrindo a mente para esse novo conceito pra mim que é o mercado de bolsa.
    Estou achando muito interessante esse assunto, porém por nunca ter estudado sobre isso estou achando difícil assimilar todas as informações contidas nos vídeos e artigos, assisti os vídeos de introdução, li todos os artigos, fiz anotações e consegui “pegar” muita coisa, mas acredito que tudo vai se fixando mesmo é com a prática.
    Não estou conseguindo assistir da aula 2(como um trader deve se relacionar no mercado) em diante, mediante o fato de não conseguir assistir mais vídeos e estar com vontade de participar desse tipo de negócio, profissão, enfim; qual o próximo passo a ser dado para se chegar a fazer a experiência de mercado na forma de operar apenas com simuladores para realmente ter certeza se sou capaz de entender e me tornar um trader?
    Vocês prestam suporte ou possuem uma corretora da qual podemos atuar no mercado quando sentirmos coragem de assumir isso profissionalmente?
    Será possível conhecendo isso agora eu conseguir também um dia realizar tais operações?
    Um forte abraço.

  5. Marcelo Emerson Molina

    Estou achando excelente esse conteúdo,ter essa lógica operacional e que vai ser o diferencial como trader.

  6. Fala Anderson, tudo bem?

    Obrigado pelo feedback…

    Vamos em frente…

    Permanecemos à disposição caso você tenha qualquer dúvida!

    Att

    Equipe Scalper Trader

  7. Fala Eusínio, tudo bem? Obrigado pelas palavras! Espero que continue conosco e que goste do restante do nosso conteúdo! Grande abraço e atitude vencedora!

  8. Boa noite, André Antunes.
    Estou gostando bastante dos conteúdos.
    Instalei o Profitchart Pro para teste; contudo, o software não reconhece teu arquivo de telas prontas.
    O que precisa ser feito?
    Um abraço.

  9. Eusínio

    Achei excelente!
    Deu uma visão bastante ampla dos diversos modos de atuar no Mercado.

    Parabéns pelo trabalho.

  10. Wallace

    Belíssima visão do mercado. Concordo plenamente, o mercado realmente esta vivo e é muito dinâmico.

  11. Scalper Trader

    Olá Emerson, tudo bem? Obrigado pelo retorno e pelo elogio. Tomara que esse material (e os próximos…) possam efetivamente contribuir para uma formação mais sólida e mais fundamentada. Grande abraço e atitude vencedora! André Hanna

  12. Emerson

    Rapazeada, estão de parabéns pela atitude de colaborar com essa nova geração de investidores!!

  13. neival mendes de oliveira

    boa tarde ,gostaria de saber mais sobre esse produto